Lista de verificação de pré-lançamento

Onde gerenciar seu ID do cliente no Console do Google Cloud

O recurso de gerenciamento de ID do cliente do Plano Premium está disponível no Console do Cloud na parte inferior da página "Credenciais" da Plataforma Google Maps, na seção ID do cliente.

A nova área "ID do cliente" na página "Credenciais"

Outras tarefas de gerenciamento de IDs de cliente, incluindo autorização de URL e gerenciamento de chaves secretas de assinatura do ID do cliente, podem ser acessadas na página do ID do cliente. Basta clicar em editar à direita da seção ID do cliente.

Observação: o Plano Premium da Plataforma Google Maps não está mais disponível para inscrições ou novos clientes.

Garantir que sua equipe tenha acesso aos recursos necessários

Usar o Console do Google Cloud

Por que é importante: o Console do Google Cloud dá acesso a informações como relatórios de uso, feeds de notícias e recursos para desenvolvedores. E o mais importante é que ele permitirá registrar consultas ao suporte com a equipe das APIs Google Maps se você tiver algum problema técnico durante o desenvolvimento ou o lançamento.

Antes do lançamento, ative o acesso ao Console do Cloud para todos os desenvolvedores responsáveis pela manutenção do seu aplicativo. Se ocorrer algum problema técnico, o acesso ao Console do Cloud permitirá que os membros da sua equipe entrem em contato com o suporte e que nossa equipe fale com as partes interessadas na organização. Por exemplo, talvez a equipe de suporte precise falar com a organização se detectar tráfego ou comportamento anormal que possa causar falhas no seu aplicativo. Se tivermos o contato dos desenvolvedores, poderemos evitar interrupções inesperadas.

Inscrever-se em grupos de e-mail de notificação

Por que é importante: para garantir que você fique por dentro dos desenvolvimentos e mudanças das APIs Maps, recomendamos se inscrever em um ou mais dos seguintes grupos de e-mail:

  • google-maps-platform-notifications: atualizações técnicas sobre APIs e serviços da Web da Plataforma Google Maps, notificações sobre falhas temporárias e anúncios de recursos da plataforma (de três a cinco mensagens por mês)
  • google-maps-js-api-v3-notify: lançamentos da API Google Maps JavaScript (cerca de quatro mensagens por ano)

Otimizar o aplicativo

Configurar um firewall para permitir acesso aos serviços da Plataforma Google Maps

Por que é importante: os serviços da Plataforma Google Maps usam vários domínios, sendo que alguns não pertencem ao endereço *google.com. Se você usa um firewall restritivo, é importante permitir acesso aos domínios usados pelos serviços da API Maps. Se o firewall impedir o acesso a esses domínios, as solicitações de API vão falhar, o que poderá causar erro nos aplicativos. Veja uma lista completa dos domínios usados pelas APIs Maps.

Não recomendamos gerenciar as restrições de firewall por endereço IP, porque os IPs associados a esses domínios não são estáticos.

Observação: os serviços da Plataforma Google Maps usam a porta 80 (HTTP) e 443 (HTTP) para tráfego de entrada e saída. Esses serviços também exigem solicitações GET, POST, PUT, DELETE e HEAD. Configure o firewall para permitir o tráfego por essas portas e o envio de solicitações de acordo com a API e o caso de uso.

Autorizar seus domínios SSL para uso com a API Maps JavaScript

Por que é importante: ao usar a API Maps JavaScript com um domínio SSL, é essencial que você tenha autorizado explicitamente seus domínios HTTPS para garantir que as solicitações não sejam recusadas. Ao autorizar http://yourdomain.com, o SSL equivalente (https://yourdomain.com) não é automaticamente ativado. Verifique sua lista de domínios autorizados no Console do Cloud rolando a tela para baixo até a seção ID do cliente. Para resolver problemas relacionados ao uso de APIs do lado do cliente com um domínio SSL, verifique se todos os elementos da página são carregados usando HTTP. Consulte o guia para resolver problemas de autorização.

Selecionar a versão correta da API

Por que é importante: antes de desenvolver seu aplicativo, é importante saber quais versões das APIs estão obsoletas. Ao optar por desenvolver usando versões não obsoletas de APIs, você terá um tempo de desenvolvimento e um custo menores quando as versões obsoletas se tornarem indisponíveis.

Especificamente, é essencial compreender o esquema de controle de versões usado pela API Maps JavaScript para evitar o uso acidental de uma versão incorreta da API no seu ambiente.

Por exemplo, o uso de uma versão experimental da API no ambiente de desenvolvimento ou teste pode ser aceitável, mas é altamente desaconselhável usar essas versões em um ambiente de produção. Nosso SLA se aplica apenas a versões estáveis da API. Portanto, use somente essas versões no ambiente de produção.

Consulte o guia sobre versões da API Maps JavaScript.

Escolher entre projeto do lado do cliente e do servidor

Por que é importante: a escolha por uma abordagem no lado do cliente ou do servidor é uma decisão de arquitetura e é absolutamente fundamental para a estabilidade e a escalabilidade do seu aplicativo. De modo geral, a abordagem do lado do servidor deve ser usada para processamento off-line prévio e posterior de registros (ou seja, fora do aplicativo). Como alternativa, a abordagem do lado do cliente deve ser usada nas partes dos aplicativos que interagem com os usuários (ou seja, que processam solicitações enviadas pelos usuários em tempo real).

Implantar a abordagem do lado do servidor nos pontos onde ela deveria ser do lado do cliente é o principal motivo do esgotamento de cotas e, portanto, de erros nos aplicativos. É altamente recomendado consultar as estratégias de geocodificação antes de projetar ou lançar aplicativos que dependam de chamadas do lado do servidor.

Otimizar o uso de cotas

Por que é importante: entender como seu aplicativo consome a cota, conhecida como créditos de APIs Maps, ajuda a reduzir o valor pago. Por exemplo, se você estiver usando a API Maps JavaScript, o aplicativo consumirá créditos de APIs Maps em cada carregamento de mapa. Consulte o guia sobre taxas e limites de uso do plano Premium.

Gerenciar o uso de cotas de serviços da Web

Antes de lançar o serviço, é fundamental entender os diferentes erros relacionados a cotas (por exemplo: OVER_QUERY_LIMIT e User Rate Limit Exceeded) e configurar a lógica adequada no aplicativo para poder responder a esses erros quando você exceder a cota. Comece lendo as perguntas frequentes sobre limites de uso. Para mais informações sobre os códigos de status retornados pelas APIs individuais, consulte o Guia do desenvolvedor dessa API. Por exemplo, consulte o guia sobre códigos de status da API Directions. Entender e implementar esses conceitos reduzirá consideravelmente a probabilidade do aplicativo exceder a cota permitida, ser bloqueado pelo Google e/ou apresentar erros.

Executar testes de carga no seu app

Por que é importante: faça o teste de carga do aplicativo para garantir que ele consegue lidar com altos volumes de solicitações sem exceder as cotas das APIs Maps.

Embora a Plataforma Google Maps possa lidar com grandes volumes de tráfego, os testes com Serviços do Google ativos farão com que seu aplicativo exceda a cota permitida e seja bloqueado pelo Google. Você também precisará pagar as cobranças de uso incorridas pelo teste de carga.

Em vez disso, faça testes de carga com seu aplicativo para garantir que ele consiga lidar com altos volumes de solicitações sem exceder as cotas das APIs Maps ou ser bloqueado pelo Google. Para maior segurança, faça testes de carga com uma API falsa (por simulação), ou seja, um serviço que pode absorver grandes quantidades de solicitações, e responda às solicitações com respostas válidas, sem envolver a Plataforma Google Maps. Exemplo: se a sua cota para a API Geocoding for de 20 QPS (consultas por segundo), o teste de carga do aplicativo deverá garantir que ele consiga processar 600 QPS sem enviar mais de 20 QPS para a API Geocoding.

Se você planeja executar testes de carga significativos, entre em contato com o Suporte do Google para receber orientação e garantir que o Google esteja ciente dos testes planejados.